Autenticação

Faça o Login com os dados usados no forum.



(para ficar registado no portal, terá de se registar no forum da APO)

Desenhos da Carla

Procurar neste site - também no Google - coloque apovni + palavra a procurar

Ovnis invisíveis PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Avaliação: / 5
FracoBom 
artigos da APO - Avistamentos
Escrito por Luís Aparício   
Sexta, 28 Dezembro 2018 05:41

Lúcio Valério Barbosa é um conhecido autor de vários livros de ovnilogia e tem também uma paixão, observar javalis na zona de Corguinho a 120 km de Campo Grande MGS. Monta uma rede a oito metros de altura, na copa duma árvore e espera a vinda dos javalis - Sus scrofa, para os observar com a sua luneta.


No Brasil os javalis são uma praga, calculando-se que existam mais de 3 milhões desses artiodáctilos. Hoje esses javalis já contêm genes de porcos caseiros.
Lúcio está legalizado para estas observações e v
ai sempre acompanhado pelo Gregório, um aficionado destas lides, que agora tem 15 anos. Apesar de não terem qualquer parentesco, parecem mesmo pai e filho, tal é o concluo de amizade e afinidade de gostos. O Gregório também já foi testemunha de vários avistamentos de luzes muito perto de si.
A zona fica onde o Lúcio montou o posto de observação situa-se na Serra de Maracaju

                                                                     https://goo.gl/maps/2DkzsiwqDJL2

No dia 22 de setembro 2018 às 19,30 horas o Lúcio e o Gregório, já estavam há cerca de meia hora no seu poleiro observacional, mas desta vez aquilo que estavam à espera transformou-se numa outra realidade, exponencialmente poderosa, e com um elã elevado a mais infinito.

Ao longe na mata, a cerca de 4 km começaram a ouvir um zunido TOMMMMMMMMM, de inicio o Lúcio pensava que era um avião imenso, porque só algo muito grande deveria ter aquele barulho imenso. Este autor ficou com a sensação que aquele imenso avião vinha rente à copa das árvores.
Notou-se que esse barulho veio vindo, parecia que se aproximava cada vez mais, parecia haver ali algum objeto físico que trazia consigo aquela carga sonora.

A presença daquela suposta nave tinha associado uma movimentação atmosférica sem precedentes, as árvores abanavam intensamente, tinha-se gerado um turbilhão de vento, que nem o Lúcio e nem o Gregório tinham alguma vez presenciado.

Era já noite serrada e na zona nao havia nenhum tipo de iluminação. Estes dois observadores de javalis, verificaram que quando o barulho chegou perto da árvore onde estavam parou e ficou só uma ventania imensa e mata começou a tremer, a arvore e a rede onde estavam tremia. Durante uns 5 minutos conseguiram aguentar aquele autentico terramoto.
Depois tudo parou, já não havia vento, nem nenhum tipo de barulho, nem o chão tremia, tudo ficou em paz total.

Mas parece que a sua sorte tinha sido de pouca dura. Passados poucos minutos, começaram a ouvir que ao longe, talvez a uns quatro quilómetros, o mesmo barulho e a mesma ventania e o mesmo estremecimento. O Lúcio opinou que esse barulho teria uma amplitude tal, que era extensivo a toda a mata onde se encontrava.

Essa enorme ventania, desta vez terá permanecido  por cima destes dois observadores de javalis, durante uns eternos dez minutos.

Um calvário não vem só, e uma nova desgraça atingiu o Lúcio e o Gregório. Ambos foram atacados por uma sonolência tão grande, tão avassaladora, que não conseguiam abrir os olhos.

Foi um martirio demasiadamente elevado, na medida em que tinham que estar atentos à altura onde tinham o seu poleiro observacional, visto estarem a 8 metros de altitude. Lembramos que  O Lúcio e o Gregório estavam em cima duma pequena rede de dormir na copa duma árvore.

O sono que lhes tinha sido imposto, era tão intenso que o Lúcio diz que estava bêbado de sono, nem conseguia abrir os olhos, durante uns 50 minutos dormiu profundamente.

Depois de terem sido manietados psicologicamente e perante os acontecimentos anteriores, desmontaram a rede de dormir e foram-se embora.

Resumindo, se fosse terramoto, não lhes era imposto uma soneira gigante, também não haveria associado uma ventania gigante, nem um ruído de mais de 120 Decibeis.
A explicação mais provável está no campo da especialidade do Lúcio, uma nave ET, quis demonstrar-lhe o seu poderio, numa zona muito interessante cheia de imensos avistamentos e possivelmente ligada aos mundos intraterrenos do Pantanal.

Entrevista ao Lúcio Valério Barbosa

Luís Aparício

P.S. Deixamos aqui dois links na tentativa de explicar este acontecimento, mas o assunto é deveras interessante.

https://www.youtube.com/watch?v=u37kTNeTSNk

Ovnis invisíveis aparecem em filmagem no infravermelho

https://arquivoufo.com.br/2012/08/01/ovnis-invisiveis-aparecem-em-filmagem-com-infravermelho/

atualizado em Quarta, 09 Janeiro 2019 20:44
 
VALID CSS
  |   VALID XHTML