O mistério de Sirius PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Avaliação: / 10
FracoBom 
artigos da APO - Antiguidade
Quinta, 20 Janeiro 2005 15:49

Muitos contactados apontam Zeta Reticuli e Sirius, como sendo os locais mais prováveis da origem dos nossos visitantes interplanetários.
Relativamente a Zeta Reticuli, a informação é prestada por contactados nórdicos, que baseiam estes dados na sua vivência ovnilógica mais recente.
O outro caso, pela sua simbologia e ancestralidade, é muito mais complexo.
Sirius é a estrela mais interessante da constelação Cão Maior e é também a mais luminosa vista da Terra, por se encontrar apenas a 8,6 anos-luz do nosso sistema solar.

O outro caso, pela sua simbologia e ancestralidade, é muito mais complexo.
Sirius é a estrela mais interessante da constelação Cão Maior e é também a mais luminosa vista da Terra, por se encontrar apenas a 8,6 anos-luz do nosso sistema solar.

A estrela era conhecida pelos antigos astrónomos egípcios, assim como a sua companheira menor, Sirius B. Contudo, a Sirius B, uma estrela do tipo “anã branca”, só foi identificada pelos astrónomos ocidentais há pouco tempo. A sua existência foi comprovada pela primeira vez por F.W. Bessel em 1844, em Konigsberg, na Alemanha.
A tribo Dogon, do Mali, que vive numa remota região do interior da África oriental, é composta por apenas 200 mil pessoas. A sua maioria vive em aldeias penduradas nas escarpas de Bandiagara, a leste do Rio Niger, mas não pode ser classificada como “primitiva”, por que possui um estilo de vida muito complexo.
Os Dogons têm um conhecimento muito preciso do sistema estelar de Sirius e dos seus períodos orbitais. Os sacerdotes Dogons, dizem que sabem desses detalhes, que aparentemente são transmitidos oralmente e de forma secreta, há séculos antes dos astrónomos.

Para a tribo, toda a criação está vinculada à estrela a que chamam de Po Tolo, que significa “estrela semente”. Esse nome vem da minúscula semente chamada de Fonio, que na botânica é conhecida como Digitaria exilis. Com a diminuta semente, os Dogons referem-se ao início de todas as coisas. De acordo com os Dogons, a criação começou nessa estrela, qualificada pela astronomia como “anã branca”, e que os astrónomos modernos chamam de Sirius B, a companheira menos brilhante de Sirius A, da constelação Cão Maior.
A tribo descreve que as órbitas compartilhadas de Sirius A e de Sirius B formam uma elipse, com Sirius A localizada num dos seus focos: uma ideia que a astronomia ocidental só levou em conta no início do século XVII, quando Johannes Kepler propôs que os corpos celestes se movimentavam em círculos perfeitos.
Os Dogons também dizem que Sirius B demora 50 anos para completar uma órbita em volta de Sirius A, a astronomia moderna estabeleceu que o seu período orbital é de 50,4 anos.




"Nommo" O ser peixe que visitou este povo à muitos seculos

O que se torna realmente assustador é o conhecimento que dizem ter de um terceiro astro do sistema Sirius, ainda não descoberto pelos astrónomos. Os Dogons chamam a este terceiro corpo de Emme Ya ou “Mulher Sorgo” (um cereal) e dizem que é uma estrela pequena com apenas um planeta na sua órbita, ou um grande planeta com um grande satélite.


Visitantes extraterrestres


Os investigadores afirmam que os conhecimentos do sistema Sirius dos Dogons, possuem milhares de anos de idade e podem ter a seu favor os factos históricos.
Supõe-se que a tribo do Mali descende remotamente dos gregos, que colonizaram a parte da África que actualmente constitui a Líbia. Os gregos “expatriados” poderiam ter adquirido alguns conhecimentos dos seus vizinhos, os antigos egícios.’
A forma como os Dogons adquiriram conhecimentos astronómicos continua sem respostas. No entanto, a tribo africana explica os seus conhecimentos astronómicos do sistema Sirius de uma forma muito simples: os seus antepassados adquiriram-nos de visitantes anfíbios extraterrestres, chamados por eles de “Nommos”, provenientes da estrela Po Tolo (Sirius B). As descrições que os Dogons fazem são muito precisas.

Contam que os Nommos chegaram pela primeira vez , do Sistema Sirius, numa nave que girava em grande velocidade quando descia e que fazia um barulho tão forte como o de o rugido do vento. Também dizem que a máquina voadora aterrou como se fosse uma pedra na superfície da água, semeando a terra como se “jorrase sangue”. Alguns estudiosos dizem que, na língua Dogon, isso se assemelha ao “escape de um foguetão”.
Os Dogons também falam que pode ser interpretado como a “nave mãe” colocada em órbita. Isso não é tão estranho quanto parece: a Apolo ficou em órbita lunar enquanto o módulo descia para fazer a primeira alunagem em Julho de 1969.
Os Dogons acreditam que deuses (Nommos) vieram de um planeta do sistema Sirius, há cinco ou seis mil anos atrás. Na linguagem Dogon, Nommos significa “associado à água... bebendo o essencial”.

Segundo a lenda, os anfíbios Nommos viviam na água e os Dogons referem-se a eles como “senhores da água”. A arte Dogon, mostra sempre os Nommos parte humanos, parte répteis. Lembram o semideus anfíbio Oannes dos relatos babilónios e o seu equivalente sumério Enki. Os textos religiosos de muitos povos antigos referem-se aos pais das suas civilizações como seres procedentes de um lugar diferente da Terra. Colectivamente, isso é interpretado por algumas pessoas como a prova da existência de vida extraterrestre que estabeleceu contacto com o nosso planeta num passado distante.


Pedro Salgado/G.P.U. de Americana – São Paulo (Brasil)

_______________________________________________________

Estrela Sírius, mistério extraterrestre


Um dos corpos celestes mais bonitos e misteriosos é a estrela Sirius, observada todos os anos com grande fervor pelos cientistas do Hemisfério Norte, onde ela brilha com maior intensidade, principalmente no Inverno.

Sirius é também responsável por um dos mistérios mais ricos e mais discutidos quando o assunto é as possíveis visitas de extraterrestres ao nosso planeta: o mistério dos dogons, tribo de indígenas que vive na África Ocidental. Na década de 40, os líderes dogons revelaram muito de seus conhecimentos tribais a dois antropólogos franceses que faziam estudos sobre esse povo.

No meio desses conhecimentos e lendas havia intrigantes referências a Sirius – não apenas à estrela visível, mas também a uma segunda estrela que existe nas suas redondezas e que ainda não havia sido estudada pela moderna astronomia.

Como poderiam os dogons, indígenas vivendo numa das regiões mais pobres da África, saber detalhes minuciosos sobre uma estrela ainda não bem conhecida pela tecnologia do homem dito civilizado?

Segundo as seculares lendas dos dogons, essa segunda estrela é composta de um material extremamente denso ("todos os seres humanos juntos não conseguiriam carregá-la", diz a tradição dogon), embora seja uma estrela muito pequena.

Além disso, segundo os dogons, essa segunda estrela, próxima a Sirius, teria uma órbita de 50 anos em volta da sua estrela-maior. Os antropólogos calculam que esse conhecimento faça parte da mitologia dos dogons durante vários séculos.

E o que mais intriga é que a pequena e densa estrela em volta de Sirius foi observada oficialmente pela primeira vez em 1862, pelo astrónomo Alvan Clark. Ele a observou ao telescópio e a catalogou.

Essa descoberta confirmou que os dogons falavam da pequena estrela séculos antes de ser vista através de um telescópio. Como isso é possível?

Esse intrigante mistério foi tema do livro "O Mistério de Sirius", lançado em 1976 por Robert Temple, um pesquisador e escritor inglês. A tese de Temple nesse livro é de que seres extraterrestres estiveram na Terra 5 mil anos atrás e nos revelaram muitos segredos da galáxia, entre eles as informações sobre a pequena estrela que gira ao redor de Sirius.

A comunidade científica ridicularizou Temple. Vários astrónomos conhecidos, entre eles o falecido Carl Sagan, apresentaram sua explicação. Segundo eles, missionários franceses visitaram intensamente os dogons na década de 20 e teriam transmitido essas informações aos indígenas africanos.

Essa explicação "científica" de Sagan e seus companheiros também não bateu muito bem, nem no mundo científico nem entre os mais crédulos na tese dos extraterrestres. Entre outras coisas, porque parece bastante difícil que missionários franceses possam ter falado com os dogons sobre uma pequena e densa estrela em volta de Sirius, inclusive com detalhes sobre sua órbita.

Não faria sentido missionários estarem falando sobre isso, não só por terem outros assuntos, relativos às suas missões, mas também pelo desnível cultural entre eles e os indígenas africanos.

Além disso, os dogons reafirmam que esse conhecimento tem muitos séculos, tendo sido transmitido de geração em geração. Além das informações sobre a pequena estrelas, os dogons dizem que seus antepassados vieram de lá.

E eles praticam, todos os anos, uma dança sagrada que conta a história dos ancestrais dogons vindos daquela estrela. O mais intrigante é que eles dançam com máscaras de palha que lembram as máscaras dos nossos astronautas.

Após a explicação de Sagan surgiram outras, todas elas mais difíceis de serem aceitas que o próprio mito dos dogons. Uma delas diz que no passado os dogons teriam uma visão extremamente apurada, que lhes havia permitido observar a pequena estrela a olho nu.

Além de infundada, essa versão não explica as informações sobre a densidade da estrela, sua órbita e as máscaras da dança dogon. Outra afirma que no passado os antigos egípcios teriam poderosos telescópios.

 
VALID CSS
  |   VALID XHTML