Autenticação

Faça o Login com os dados usados no forum.



(para ficar registado no portal, terá de se registar no forum da APO)

Desenhos da Carla

Procurar neste site - também no Google - coloque apovni + palavra a procurar

Efeitos de aterragem dum ovni PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Avaliação: / 5
FracoBom 
artigos da APO - Casos Portugueses
Escrito por Luís Aparício   
Domingo, 06 Novembro 2016 10:41

Elisabete tem 72 anos, teve a amabilidade de nos levar a conhecer um caso antigo passado há 30 anos. Um ovni aterrou na Costa da Caparica a 30 metros da Avenida Afonso de Albuquerque e deixou o terreno queimado e uma depressão de 50 cm

Lembra-se de as suas filhas serem pequenas e leva-las à praia e cada vez que passava por esse caminho recordava-se daquilo que um homem lhe tinha dito.

                         Dona Elisabete com 72 anos passou muitas vezes onde o ovni tinha aterrado

Eram 23 horas e estavam dois homens em frente à Farmácia Carlos na Avenida do Mar na Costa da Caparica e viram aterrar uma nave num terreno para o lado do mar, ao lado donde é hoje o parque de campismo da Orbitur na Avª Afonso de Albuquerque. Esses homens meteram-se rapidamente no carro e aproximaram-se do parque desse campismo.

                                                       Zona da aterragem do ovni há 30 anos

Quando lá chegaram viram um ser com mais de 2 metros de altura, todo vestido com um material prateado e fora da nave.

Os homens ainda ficaram especados a ver a situação, mas depois meteram-se no carro e fugiram apavorados.
A noticia da aterragem da nave ainda chegou a ser noticiada numa revista de Almada talvez em 1985 ou 1986.

O condutor do carro contou tudo à Dona Elisabete. Devido ao impacto emocional o condutor desse carro começou a precisar de tratamentos psiquiátricos e depois veio a divorciar-se.

Para nós pesquisadores esta noticia poderia parecer coisas do passado, mas quisemos saber o que teria acontecido ao terreno onde a nave aterrou e deixou tudo queimado.

Trinta anos já passaram e a radioatividade já desapareceu, mas algo lá ficou?
Fui lá com a Isabel Oliveira e a Dona Elisabete. Quando lá estávamos parecia que algo nos afetava a garganta, havia lá algum tipo de radiação desconhecida.
Nós os três sentimos que o local tinha uma forte energia telúrica. O terreno estava quase desprovido de vegetação, as plantas eram diminutas e muito pequenas.

Em muitos locais onde os ovnis aterram queimam a terra e destroem por anos toda a possibilidade de se germinarem quaisquer plantas. Levamos o contador Geiger e só medimos 0,015 micro roentgens/hr.

Esta reportagem foi feita no dia 30 outubro 2016 domingo. No dia seguinte segunda-feira, a Isabel Oliveira apresentava um quadro clinico quase desesperante, tinha mau estar geral, teve febre até às 16 horas, tinha uma pulsação à volta de 100, doíam-lhe os músculos todos da cabeça até aos pés pareciam que tinha levado uma enorme tareia, tinha a vista a arder e a chorar. Até quinta-feira seguinte teve um mal-estar geral e mal conseguia andar de pé.

Para mim Luís Aparício sobejou-me outras maleitas, tive uma profunda dor de fígado e diarreia. Até ontem sábado dia 5 novembro 2016 tive um mal-estar muito agudo na zona do fígado e vesicula, e sentia-me bastante cansado e necessitava de dormir mais do que o normal.Até ao dia 9 novembro 2016, fiquei muito afetado da garganta e muito rouco.

A Isabel Oliveira contatou a Dona Elisabete e a mesma disse que não teve nenhuns problemas de saúde. Possivelmente já estava habituada, devido ao fato de passar por ali muitas vezes. Mas nós os dois a Isabel Oliveira e Luís Aparício passamos muito mal de saúde.

Quer dizer que após 30 anos aquele terreno ainda estava contaminado com radiação atómica, nuclear etc. ??? que o ovni lá deixou.
Então a pouca vegetação naquele terreno é resultante dessas radiações desconhecidas.

                                          A Isabel Oliveira conversa com a Dona Elisabete.

Nesse terreno só permanecemos talvez uns de cinco minutos. É visivel a falta de vegetação, nesta àrea. Nota-se que este lugar foi ajardinado e foram trazidas terras doutro lugar ou o terreno foi terraplanado, mas a falta de vegetação é bastante notoria.

No dia domingo dia 6 novembro 2016, passei na Avª Afonso de Albuquerque na Caparica, mesmo em frente ao local da aterragem do ovni, nós os dois Luís Aparício e Isabel Oliveira sentimos uma enorme energia telúrica, isto é a mais de  +- 50 metros de distância do local da aterragem. Nós dias seguintes fiquei ainda mais rouco, embora o mal estar geral tenha diminuido.

Então pode-se perguntar, para que efeito um ovni foi aterrar perto dum conjunto habitacional como era a Caparica há trinta anos.
Será que o ocupante da nave vinha analisar o porquê daquele lugar ter uma energia telúrica tão elevada?
Será que o ovni também veio adicionar efeitos negativos ao terreno, para nos colocar tão doentes?
PS
Em meados de 2017 soubemos que que a Dona Elisabete tinha tido graves problemas de saúde e que o seu salão de cabeleireiro estava fechado.

Luís Aparício

atualizado em Terça, 24 Julho 2018 01:40
 
VALID CSS
  |   VALID XHTML