Conto tradicional Alentejano PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Avaliação: / 15
FracoBom 
artigos da APO - Mutilações
Escrito por Nuno Alves   
Quarta, 07 Setembro 2005 22:42

Este caso aconteceu no Alentejo há já muitos anos e entra nos contos tradicionais este caso insólito!
Num verão quente nas zonas de (Mimosa e Alvalade do Sado) encontrava-se um pastor indignado com o desaparecimento de algumas ovelhas durante a noite julgando tratar-se de uma raposa que estaria a mutilar o seu rebanho.
Durante a noite o pastor após o jantar resolveu fazer uma vigília para matar a raposa!

Este pega na sua arma e sua motoreta (moto 49 cc) e desloca-se á taberna ali próxima de casa para beber um cafezinho? antes de tomar a viagem.
O rebanho ficava durante a noite no meio do mato dentro de uma cerca com protecção em rede onde no centro ficava uma árvore (Chaparro) que produzia sombra e protegia as ovelhas do sol.

O pastor durante a viagem sentia-se estranho como se alguma coisa o incomodasse não sabendo o quê!

Pouco depois um senhor deslocou-se a casa do pastor para falar com ele, mas que é informado que o pastor tinha ido á taberna para depois seguir para junto do rebanho na esperança de abater a raposa ou animal causador da morte de algumas das ovelhas.

O sujeito que procurava o pastor quando chegou à taberna, já o pastor tinha partido.

Quanto o pastor ao chegou junto das suas ovelhas e se sentou por baixo da árvore com a sua arma reparou que as ovelhas estavam estranhas e muito agitadas, de imediato pôs a sua arma em posição para atirar a qualquer momento assim que avistasse a raposa.

A encontro do pastor vinha o outro sujeito na sua viatura que queria falar com o pastor!
No meio daquela agitação por parte do rebanho uma forte luz maior que a árvore acende por cima desta provocando o pânico geral tanto das ovelhas como do pastor, iluminando toda a área em redor parecendo que estava de dia!

Esta luz muito forte que parecia cegar a vista a qualquer pessoa sobe a uma velocidade vertiginosamente na vertical não tendo qualquer ruído e desaparecendo no céu nocturno.
O pastor com o tanto medo que teve nem tempo teve para pensar em usar a arma!
Apenas se limitou a olhar petrificado e aterrorizado para aquele caso insólito e para alem da sua compreensão.
Mas após o desaparecimento deste ovni o pastor apenas teve tempo de pegar na sua motorizada e fugir dali para a aldeia afim de obter mais segurança.

Kms á frente vinha o tal indivíduo no carro para falar com o pastor, tendo-o encontrado o pastor em velocidade em direcção à aldeia.

O pastor ao chegar à taberna conta aos presentes o que lhe acabara de surgir estando num estado muito enervado e amedrontado.
Todos começaram a gozar com o pastor alegando que os ovnis não existiam que ele deveria ter imaginado coisas!

Mas convictamente o pastor que era tido pela população uma pessoa séria e muito humilde e amigo de ajudar e homem de trabalho confirmava que o que lhe acabar de acontecer era a mais pura verdade. Mas mesmo assim não acreditaram na sua versão.

Pouco depois entra na taberna o tal sujeito que procurava o pastor e que pergunta em voz alta! Que coisa era aquela que subiu para o céu com uma velocidade enorme? e o que lhe tinha acontecido para ir para ir em velocidade elevada e também lhe tinha feito sinais mas não parou.

O pastor apenas respondeu que só queria sair dali e que não sabia o que seria aquela coisa!
Quando os restantes elementos presentes na taberna riam (foi um ovni eh! eh! eh!).
Estão a ficar todos malucos, alegaram as pessoas na taberna.

Entretanto a realidade seria bem diferente!
Não se sabe se as ovelhas mutiladas seriam obra do ovni ou de algum animal selvagem!

O pastor acabou por cair no ridículo pelas pessoas que não entendiam os ovnis e na ignorância dos investigadores na altura, Desde então nunca mais desapareceram ovelhas do seu rebanho.

Texto de investigação por
Nuno Alves – APO - Sines

atualizado em Domingo, 26 Fevereiro 2012 17:02
 
VALID CSS
  |   VALID XHTML