Testes de DNA feitos a cabelo de alienígena. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Avaliação: / 1
FracoBom 
artigos da APO - Abduções
Escrito por Luis Aparicio   
Sábado, 03 Março 2007 14:18
Cientistas avaliam uma amostra de DNA de cabelo de um ser humano que aparentemente não é da Terra, mas que aparenta características humanas.

O contacto de um Australiano com um Extraterrestre de aspecto humanoíde resultou num teste de DNA do seu material biológico. Os resultados intrigantes demonstram a necessidade para a pesquisa científica mais intensiva sobre Extraterrestres, no oeste.

O relatório cheio do caso da investigação Australiana conduzida pelo investigador Chalker foi publicado originalmente na edição de primavera de 1999 do Repórter internacional do UFO, o jornal trimestral do J. Chicago-baseado. Centro de Allen Hynek para os estudos do UFO (CUFOS).


Peter Khoury, o assunto deste caso, foi carregado no Líbano em 1964 e moveu-se para Austrália em 1973. Lá encontrou-se com a sua futura esposa Vivian na escola em 1981. Peter e Vivian foram casados em 1990, tiveram duas crianças e viveram em Sydney, na altura deste relatório.


Peter e Vivian tiveram a sua primeira experiência UFO em fevereiro de 1988, avistaram simples luzes moventes incomuns. Mas em julho desse mesmo ano, Peter esteve profundamente perturbado, ao recordar de forma consciente a experiencia do seu contacto, que diz, ter mudado a sua vida.

Chalker indica que os seres "alienígenas" estão descritos frequentemente em experiencias como não tendo nenhum cabelo visível. Mas uma espécie de Extraterrestre que está a ser chamada às vezes "Nordic", é descrita razoavelmente e frequentemente como tendo distintamente aparencia e características humanas, incluíndo o cabelo.
Um número de casos bem conhecidos de abduções envolveram seres de aspecto humano com o cabelo, incluíndo a abdução de 1975 relatada por Travis Walton no Arizona, e a abdução no Brasil em 1957, relatada por Antonio Villas Boas.

O exemplo de Peter Khoury tem alguma similaridade à do Villas Boas, que disse que “esteve forçado a ter o sexo com uma fêmea humanoíde agressiva a bordo de um UFO aterrado.

Khoury disse a Chalker que o seu encontro em 23 de julho de 1992 começou às 7:30 da manhã quando estava na cama.

Antes de amanhecer, ele tinha acompanhado a sua esposa ao trabalho, ao retornar então a casa, foi deitar-se um pouco. Quando de repente, acordou meio atordoado e “Havia duas fêmeas de humanoídes que estavam sentadas em cima da cama, ambas inteiramente despidas,” diz Peter Khoury.

“Estas duas mulheres tinham forma humana em quase todos os aspectos. Tinham corpos adultos bem proporcionados. Uma tinha um aspecto um tanto asiático, com cabelo escuro recto de comprimento até aos ombros e os olhos escuros. A outra parecia “talvez como uma Escandinava”, com os olhos de cor clara e cabelo longo que descaía para trás.

O seu cabelo era especialmente notório a Peter Khoury. “Eu nunca tinha visto um estilo de cabelo como aquele. Era ondulado, algo como o de Farrah Fawcett, mas a um extremo… De uma certa maneira tinha um aspecto exótico,” disse o Chalker.

Mas Khoury sentiu que “estas mulheres não eram exactamente um ser humano. As suas caras eram um tanto ímpares - não eram desatractivas, mas os olhos estavam muito elevados e eram duas ou três vezes maiores do que o normal.”

Khoury fez um exame de observação especial ao rosto. Sua cara era demasiado longa, pareceu-lhe. “Eu nunca vi um aspecto humano como aquele,” disse.

“A loira, que estava sentanda numa posição ajoelhada na cama, pareceu estar na carga”, e Khoury sentiu que de certa forma esta comunicava com a mulher de cabelo escuro, telepaticamente “que estava sentanda com uma parte dos seus pés dobrados sob ela. Havia algo frio, como que um espaço vazio, nas expressões das mulheres,” observou Khoury.

Este pensou muito rapidamente na aparência repentina das mulheres, Khoury teve somente alguns momentos para considerar como poderiam ter chegado ao seu quarto antes que “a loira o alcançou para fora com ambas as mãos e tapado a parte traseira da sua cabeça, colocando a sua cara no seu colo.”


Khoudry disse a Chalker que resistiu. Puxou então com mais força. Respondeu ainda mais puxando para trás.

“Era consideravelmente forte,” disse ele, logo a Chalker. “Puxou-me totalmente e a minha boca estava basicamente no seu mamilo. E eu mordi.”

Khoury disse que não sabe porque mordeu a mulher, mas mesmo que lhe tenha parecido sentir uma pequena parte do mamilo entre os seus dentes, ela não gritou nem chorou. Mas “a expressão na sua cara estava como que, isto não era suposto ter acontecido, como se estivesse numa espécie de choque ou de confusão “contemplativa” Explicou Khoury.

Khoury indicou então que, a humanoíde loira olhou para a de aspecto asiático… e que de seguida olhou para ele, numa espécie de choque "contemplativo" similar ou de confusão.
Involuntariamente Khoury indicou que engoliu o pequeno fragmento e que o travou na sua garganta. Tentou retirar. Então “de repente, as duas mulheres desapareceram simplesmente,” diz Khoudry.

Durante o tempo em que Khoury foi contactado por estes seres extraterrestres de aspecto humano, ele foi aparentemente abduzido.

Quando Khoury percebeu que as mulheres finalmente desapareceram, ele bebeu um copo de água na esperança de desimpedir a sua garganta. Mas não resultou. Khoury teve então “que ir à casa de banho.”

Foi então que Khoury reparou que “seu penis estava dorido.” Estando na casa de banho, decidiu então “puxar para trás o prepúcio e encontrou dois bocados finos de cabelo loiro envolvidos firmemente ao redor.”

Esforçou-se para retirar as partes de cabelo enquanto a dor se transformou numa sensação de ardor intenso. Finalmente conseguiu remover as duas partes de cabelo e pô-las imediatamente num saco de plástico pequeno e selável.

“A razão pela qual eu fiz isso foi porque eu sabia que não havia nenhuma maneira, nenhuma maneira mesmo, de um cabelo daquele tamanho estar ali e enrolado daquela maneira… O pensamento destas mulheres, a "coisa" na minha garganta, o cabelo, algo fora do normal tinha simplesmente acontecido.”

Khoury resolveu manter a amostra do cabelo caso tivesse que provar numa situação útil as suas experiências.

A coisa na garganta de Khoury permaneceu lá por três dias. Ele tentou constantemente desimpedir a sua garganta com água, pão, ou qualquer coisa que pensou poder ajudar, mas nada ajudou. No terceiro dia, a sensação na sua garganta simplesmente desapareceu.

Ele não quis dizer à sua esposa o que lhe tinha acontecido, mas duas semanas mais tarde decidiu dizer-lhe. “Eu fiquei chocado,” disse ele a Chalker. “ Ela aceitou a minha experiência muito melhor que eu.”

Examinação do DNA extraterrestre:

As partes de cabelo, armazenadas com cuidado desde o encontro, transformou-se no primeiro assunto de teste científico abertamente relatado de DNA numa amostra possívelmente relacionada com uma abdução.

Os cabelos loiros estavam extremamente finos e quase destingidos na cor. Determinou-se que o cabelo não foi tratado quimicamente, porque se tivesse sido, quase nenhum DNA mitocondrial poderia ter sido recuperado. Entretanto, usando o processo de PCR, o DNA de boa qualidade foi recuperado.

Para uma comparação, em relação à amostra, foram também feitos exames ao cabelo de Peter Khoury e da sua esposa Vivian. O DNA foi extraído com sucesso do cabelo de Peter, mas nenhum DNA reconhecivel foi recuperado do cabelo de Vivian, possivelmente devido a algum tratamento químico.


Após testar por completo as amostras de cabelo, os cientistas do Anomaly Physical Evidence Group chegaram a uma conclusão. O cabelo loiro e fino, que pareceu ter vindo de uma mulher de pele clara e de aspecto caucasiano, não poderia ter vindo de um ser humano normal desse tipo racial.

O cabelo aparentemente humano mostrou cinco marcadores distintivos de DNA que são característicos de um subgrupo raro do tipo racial chinês Mongoloíde.

Um exame detalhado da literatura em variações no DNA mitocondrial, compreendendo dez das milhares de amostras, mostrou somente outros quatro povos no registo com todos os cinco marcadores distintivos no cabelo loiro. Todos os quatro eram chineses, com cabelo preto.

O DNA Mitocondrial é passado somente da mãe à criança e oferece consequentemente meios de se seguir o antigo ancestral do lado da mãe. As investigações sugerem que apenas quatro dos assuntos chineses compartilham um antepassado fêmea comum com a mulher do cabelo loiro. Mas não há nenhuma explicação fácil para o sucedido.



Testar por DNA nuclear, se tal podesse ser recuperado do cabelo loiro, seria mais complexo e caro do que o funcionamento de testes assim distante, mas poderia mostrar que a linhagem do pai era mais estranha do que a da sua mãe. Mas para fazer esse teste é necessário esperar financiamentos e isso, infelizmente, ainda não aconteceu. Assim, os membros do Anomaly Physical Evidence Group financiaram do próprio bolso todo o seu trabalho.

Sem a amostra loira de cabelo, a testemunha tida por Peter Khoury é agora mais uma testemunha pouco credível de muitos outros casos registados de abduções. O cabelo, entretanto, muda tudo. “ele inegavelmente existe,” diz Chalker “e o teste forense completo mostra que é anómalo. Parece que provavelmente nenhuma pessoa com cabelo loiro semelhante ao de Khoury e com o exacto DNA poderia ser encontrado na cidade de Sydney, nem no continente da Austrália e provavelmente em nenhum lugar do mundo.”

Quem era então o ser cujo cabelo loiro apareceu inesplicavelmente envolvido em torno do penis de Peter Khoury?

Estaremos nós a lidar com "humanos" de outro lugar, aqueles com DNA humano, mas muito raro e um tanto anómalo?” questiona Chalker a si mesmo. “Este caso levanta todas as hipóteses das edições, tais como a panspermia humana- a teoria de que seres humanos poderão ter migrado à terra num passado razoavelmente recente de outra parte da galáxia, talvez provocando a aparência repentina do moderno homo sapiens, uma espécie que não descende directamente dos seus predecedores imediatos, os Neanderthais.”

“Também, dada a conexão Mongoloíde asiatica, nós vemos o problema do aspecto europeu assim como do asiático por ter raros tipos no passado,” diz Chalker. “A saga controversa das múmias de Taklamakan na China ocidental remota está a mudar a história recente da origem da China. Estas múmias incluem os povos que são muito altos, com uns 6 pés de altura, aproximadamente e alguns são loiros. Eu não estou a sugerir aqui uma conexão, mas pode-se compreender que esta investigação abriu acima de todas as espectativas, possibilidades interessantes sobre a natureza biológica nalguns seres implicados em casos de abdução.”

Estas perguntas não serão fáceis de responder. O Anomaly Physical Evidence Group espera continuar a pesquisa construtiva a respeito das matérias pertinentes.

atualizado em Sábado, 09 Abril 2011 13:51
 
VALID CSS
  |   VALID XHTML