Formação de Naves no Sobreiro Versão para impressão
Avaliação: / 1
FracoBom 
artigos da APO - Casos Portugueses
Escrito por Luis Aparicio   
Quarta, 23 Julho 2014 11:18

"Bruno Patricio" tem 35 anos e é analista de informática, no domingo dia 20 julho de 2014, entre as 00,30 h e as 01,00 horas estava entre o Sobreiro e Mafra a cerca de 40 Km a Noroeste de Lisboa. Estava uma noite agradável e com mais quatro pessoas da sua família (no total eram três senhoras e dois homens) viram um emaranhado de mais duma dezena de estranhas luzes no céu a desaparecerem quase no horizonte na direção do Convento de Mafra.

Passados cerca de cinco minutos, e da zona oposta onde tinha desaparecido o grupo desordenado de luzes, apareceu um grupo ordenado de 7 luzes. Essa formação fez o percurso de noroeste para sudeste e desapareceu lentamente no horizonte onde tinha desaparecido o grupo desordenado de luzes atrás mencionadas.

Essas luzes na sua opinião tinham uma magnitude igual à estrela polar. Considera que estas luzes poderiam ir a uma altitude muito elevada, muito superior aos aviões com destinos intercontinentais, muito acima dos 11.000 metros.

O que mais o intrigou é que as luzes iam aos pares, três grupos de luzes duplas mais uma luz sozinha atrás. Ao longo dos anos já conheceu os diversos tipos de luzes que passam no céu. Na sua opinião aquelas luzes não seriam de origem humana. No local cada uma dessas luzes poderia ter algumas centenas de metros de envergadura.

Adianta que não seriam satélites, visto que aquelas luzes piscavam e deslocavam-se lentamente. Notou que aquela formação de luzes não ia totalmente em linha reta, havia alguma diferença na formação.

Quase no final do percurso aquele grupo ordenado de luzes tornou-se desordenado e desapareceu.

Linha irregular de luzes no céu a grande altitude piscando

Luís Aparício

 

atualizado em Quinta, 24 Julho 2014 17:49