11 de Setembro e as Varetas Voadoras

Como é que sabemos disto. É a grande questão que só veio a ser confirmada com a chegada das cameras de vídeo. Quando os amadores começaram a filmar em cinta magnética e passaram a analisar fotograma a fotograma, foram detectadas umas estranhas movimentações em forma de vareta. Recentemente a 11 de Setembro de 2001, quando aconteceu o ataque às torres gémeas em N.Y. na net apareceu algo de muito estranho a deslocar-se na parte superior das chamas antes do edifício cair. Ou seja só foi possível, quando se analisou cada fotograma.

As dimensões do fenómeno são variáveis e podem ser duns 1,6 Km até a alguns centímetros. A sua forma poderá ter a forma de vareta ou aproximar-se da duma corda e poderá parecer uma cobra ondulante, parecendo-se também com fitas ondulantes, geralmente constituídas dum material tipo vaporComo é que sabemos disto. É a grande questão que só veio a ser confirmada com a chegada das cameras de vídeo. Quando os amadores começaram a filmar em cinta magnética e passaram a analisar fotograma a fotograma, foram detectadas umas estranhas movimentações em forma de vareta. Recentemente a 11 de Setembro de 2001, quando aconteceu o ataque às torres gémeas em N.Y. na net apareceu algo de muito estranho a deslocar-se na parte superior das chamas antes do edifício cair. Ou seja só foi possível, quando se analisou cada fotograma. As dimensões do fenómeno são variáveis e podem ser duns 1,6 Km até a alguns centímetros. A sua forma poderá ter a forma de vareta ou aproximar-se da duma corda e poderá parecer uma cobra ondulante, parecendo-se também com fitas ondulantes, geralmente constituídas dum material tipo vapor Engraçado ou não é que por vezes à pessoas que vêm certas pequenas ondulações no ar sem perceberem o que é, podendo ser ou não problemas da vista. No livro THE HORROR OF THE HEIGHTS Sir Arthur Conan Doyle, conta que numa escalada a 12 km de altitude, a visão dessas fitas voadoras girando a alta velocidade, embatendo nas montanhas e passar em seguida para outra direcção. Podemos inclusivé fazer experiências na nossa casa com a camera de vídeo. Para isso deslocamo-nos para o exterior e colocamos a camera numa sombra a filmar o ar, ou poderemos construir um obturador em forma de circulo que colocamos a frente da objectiva ligeiramente maior que as dimensões do sol, presa por algo bem rijo. Neste caso era conveniente que a camera estivesse assente numa montagem equatorial motorizada, para podermos seguir o sol, lógico que todas as cautelas são necessárias, não devemos olhar para o sol de espécie nenhuma. Existem também experiências de deixar a camera a filmar um paisagem e depois analisar os fotogramas.

Na net poderá encontrar imagens em Flying Rods fact or fiction- sky rockets reporting, voting, articles and images, chat, discusions, and games e Rods Index

Luis Aparício
Engraçado ou não é que por vezes à pessoas que vêm certas pequenas ondulações no ar sem perceberem o que é, podendo ser ou não problemas da vista. No livro THE HORROR OF THE HEIGHTS Sir Arthur Conan Doyle, conta que numa escalada a 12 km de altitude, a visão dessas fitas voadoras girando a alta velocidade, embatendo nas montanhas e passar em seguida para outra direcção.

Podemos inclusivé fazer experiências na nossa casa com a camera de vídeo. Para isso deslocamo-nos para o exterior e colocamos a camera numa sombra a filmar o ar, ou poderemos construir um obturador em forma de circulo que colocamos a frente da objectiva ligeiramente maior que as dimensões do sol, presa por algo bem rijo. Neste caso era conveniente que a camera estivesse assente numa montagem equatorial motorizada, para podermos seguir o sol, lógico que todas as cautelas são necessárias, não devemos olhar para o sol de espécie nenhuma. Existem também experiências de deixar a camera a filmar um paisagem e depois analisar os fotogramas.

Na net poderá encontrar imagens em Flying Rods fact or fiction- sky rockets reporting, voting, articles and images, chat, discusions, and games e Rods Index

Luis Aparício