Ex piloto relata o incidente de Roswell

A história foi publicada na primeira página do jornal Roswell Daily Record: “Força Aérea Americana capturou disco voador”. De acordo com a notícia de 8 de Julho 1947, “O centro de relações públicas do 509º Grupo de Bombardeioros na base aérea de Roswell anunciou que tinha sido encontrado um disco voador”.

A nave provavelmente foi recolhida depois do fazendeiro ter avisado o Gabinete do xerife, George Wilcox, no condado de Chavez, que por sua vez avisou a Força Aérea e esta enviou Major Jesse Marcel e uma equipa para investigar. Marcel e alguns colegas do seu departamento foram para a fazenda e recolheram o disco, dizia a história. “Após o seu exame o disco foi levado para o quartel mestre general.

No dia seguinte, o jornal de Roswell anunciou uma outra história, alertando que o disco recolhido era um balão meteorológico.

O governo dos EUA manteve essa versão até 1995. Quando foi anunciado que a história do balão meteorológico foi fabricada para cobrir o Projeto Mogul, projecto ultra-secreto envolvendo duas dúzias de balões de neopreno (borracha sintética) para atingir altas altitudes, esses balões seriam desenvolvidos para detectar explosões nucleares da Rússia.

(Ora aqui começa um grande imbróglio, porque a Rússia (URSS) faz a sua primeira explosão atómica em 23 de Setembro de 1949, nas estepes do Cazaquistão. Portanto é pura mentira que aquele balão tivesse sido utilizado para detectar radiações de explosões atómicas. A queda do ovni em Roswell, deu-se a 8 Julho de 1947. N. do T.)

De acordo com as informações fornecidas por Sprouse, cinco soldados da sua equipa foram chamados para o local da queda para recolherem os destroços do ovni e colocarem-nos dentro de um camião. Sprouse recebeu ordens para ficar pronto a utilizar o B-29 caso os militares precisassem. «Eu estava céptico quanto aquilo que aqueles meus companheiros me estavam dizendo, pois cada deles contou a sua história», disse Sprouse.

“Eu pensava, Eu não sabia… depois, eu tentava encaixar cada peça do quebra cabeças e percebi que todos estavam falando verdade”.

Com os anos passando, Sprouse ficou mais confiante em falar sobre o incidente em Roswell. O autor e pesquisador de ovnis Thomas J. Carey entrevistou Sprouse três vezes junto com o co-autor Donald Schmitt. Sprouse é mencionado na página 233 do seu novo livro, “Witness to Roswell: Unmasking the 60- Year Cover-Up. (Testemunhas de Roswell: Desmascarando os 60 anos de encobrimento).

Durante sua primeira entrevista, gravada em vídeo no Museu e Centro de Pesquisa Internacional de Roswell, Sprouse foi relutante em falar sobre o incidente, disse Carey.

“Ele era um piloto de carreira na Força Aérea americana, e eles são os piores para falar, por causa de terem receio de lhes tirarem as pensões, afirmou Carey.

“Quando eu o entrevistei pelo telefone em 2001, eu consegui dele, muito poucas informações, depois eu entrevistei-o novamente no ano passado e então consegui obter mais informações.

Era um achego de novas informações. Hoje, quando Sprouse fala sobre o incidente, ele reclina-se para frente e percebe-se nele um olhar de conspiração. Seriam cerca de 500 soldados foram enviados ao local da queda e foram alinhados ombro a ombro e instruídos para recolher todos os fragmentos da fazenda, ele disse. “Eles alinharam-nos todos e depois disseram, ‘Nós queremos que vocês percorram todo terreno desta propriedade até nós dermos ordens para parar, e queremos que vocês, tragam tudo que não for natural”, afirmou Sprouse.

“Quando minha equipe voltou (do local do acidente), nós falamos desse incidente durante semanas”, disse ele. «Eles disseram-me tudo e eu acreditei neles… Eles me falaram, “Milton, tudo isto é verdade”.

Entre os materiais descobertos havia uma folha metálica maleável que poderia tornar-se lisa e recta depois de amassada no forma de uma esfera. Pode ser verdadeiro ou mentira mas uma das mais intrigantes peças deste puzle foram os relatos dos cinco pequenos corpos verdes recolhidos com o OVNI. Sprouse acredita nisso. O Sargento foi chamado ao hospital logo após a queda, ele disse.

“Ele, dois médicos e duas enfermeiras foram para sala de emergência, e depois os militares trouxeram-lhe um dos cinco corpos dos humanóides que os militares recolheram”, ele disse. “Os militares disseram que queriam aquele corpo autopsiado e queriam um relatório completo como seria o funcionamento daquele corpo. No dia seguinte, o sargento foi transferido da base, disse Sprouse.

“Nós nunca ouvimos falar dele novamente”. “Nós perguntamos e (eles disseram), Oh, nós não sabemos nada sobre isso… Mais tarde eu ouvi que ambos os médicos e enfermeiras foram enviados para locais diferentes e ninguém mais soube dizer para onde eles foram”. Sprouse recorda-se de ter tido uma conversa interessante com o dono da agência funerária de Roswell, alguns anos mais tarde.

“Nós tivemos um amigo nosso que faleceu, e ele disse, ‘Hei Milt, eu quero falar com você”. “Ele disse-me, ‘Você conhece a base, vem comigo, pois querem 5 caixões de criança’. Isso foi dois ou três dias depois da queda. Eu disse, ‘Sem brincadeiras. ‘Ele disse, ‘Eu só tinha um, e eu disse a eles.’ Eles disseram, ‘Um não serve para nós,’ e eles foram a algum outro lugar e trouxeram então todos os caixões.

O dia que correu essa história do OVNI, os fragmentos estavam dentro de dois bombardeios B-29, um deles era o Dave’s Dream (avião do Sprouse), e foram enviados para a base de Fort Worth no Texas (EUA).

Sprouse e Carey acreditam que o material foi embarcado para Base Aérea americana de Wright-Patterson em Dayton, Ohio, onde eles dizem que ainda lá estão. “Nós acreditamos que algumas coisas foram descarregadas por aí, mas o principal ficou na divisão de tecnologia estrangeira em Wright-Patterson”, disse Carey, que possui um doutoramento em antropologia e serviu durante algum tempo na força aérea americana.

“Nós ouvimos relatos de pessoas que dizem que eles continuam tentando descobrir o que era aquilo”. Vários rumores sugerem que pedaços da nave e dos corpos foram guardados num misterioso Hangar 18 em Wright-Patterson.

Derek Kaufman, que trabalhou na secção das relações públicas da base de Wright-Patterson, foi taxativo quando abordado sobre o tema Roswell e do Hangar 18. Ele disse que a base vigia todos os telefonemas relacionados com essa temática.

“Nós recebemos alguns investigadores há um mês relacionados com fenómenos estranhos… Algumas pessoas acreditam ter visto algo fora do comum, voos rasantes, naves estranhas ou algo nessa linha, disse Kaufman. “Pessoas que gostam de OVNIs são geralmente pessoas que perguntam sobre Hangar 18 ou Roswell, mas muitos deles não parecem ser investigadores sérios.

Eles parecem pessoas quase fanáticas… eu sou muito pressionado para descrever onde o Hangar 18 fica”. Questionado se possuía algum material da transferência de Roswell para a base em 1947, kaufman disse, “Só vou dizer que para o solicitado já foi exaustivamente investigado e posto à disposição do público”.

O site da base Wright-Patterson incluí uma secção nomeada “UFOS and other strange phenomena (OVNIS e outros fenómenos estranhos)” que inclui links para o site “Air Force Freedom of Information Act” (Acta da liberdade de informação da Força Aérea americana) um documento de 993 páginas intitulado “The Roswell Report: Fact Versus Fiction in the New Mexico Desert”.(O Relato de Roswell: Facto versos ficção no deserto do Novo México.

O governo meticulosamente denigre o caso de Roswell). De acordo com o relato, os corpos encontrados no local não eram de alienígenas, mas bonecos de teste usados para testes de pára-quedas de grandes altitudes. Entusiastas por OVNIs dizem não serem bonecos porque os testes de pára-quedas só foram conduzidos uma década depois do incidente.

“Isso não é possível, pois aquele projecto iniciou-se no meio da década de 50”.Disse Carey. “Esses manequins eram de 2 metros de altura, eles pareciam humanos e estavam em voos normais. Não há a possibilidade de se confundir esses bonecos com pequenos alienígenas e as suas cabeças gigantes”.

Inquirido ainda se permanecia algo do evento misterioso de Roswell, Rob Young, um historiador do Centro de Inteligência Nacional do Espaço e Ar em Wright-Patterson, respondeu, “Eu não sei lhe dizer. Eu nunca vi algo parecido… Para o meu conhecimento não tem”.

Sprouse acredita que o incidente de Roswell está profundamente tapado, tanto quanto a Casa Branca. “O presidente sabe de tudo, secreto, não secreto, mesmo se eles tem conhecimento ou não”, disse Sprouse.

“Clinton, disse, eu não sei de nada. ‘ Carter disse, ‘ eu não sei nada disso. ”Bush nem vai tocar no assunto”. A esposa de Sprouse, Peggy, coronel aposentada da força aérea americana, é céptica sobre a história do OVNI. Ela foi para Roswell com o marido e disse que uma vez está óptimo. “Fomos lá, e vi tudo”, ela disse. “Eu nunca acreditei e continuo não acreditando”.

Sprouse parece estar entusiasmado em manter aqueles acontecimentos vivos. O governo americano alguma vez pediu para ele não falar sobre Roswell?

“Não, mas eu me preocupo com isso”, disse ele. “Eu tenho recebidos esses telefonemas sobre o incidente, e normalmente eu me pergunto se tem alguém procurando por isso”.

http://www.sanfranciscosentinel.com/?p=6405

http://www.religionreference.com/Witness_to_Roswell_Unmasking_the_60Year_CoverUp_1564149439.html