FOTOS DE OVNI´s / FANI´s ANTERIORES A 1947

Segundo o piloto, durante um voo sobre a costa oeste dos Estados Unidos, próximo ao Monte Rainier, à procura de um avião que havia caído, ele observou nove objectos de formato discóide, com luz própria, que se deslocavam a alta velocidade.
A notícia foi divulgada mundialmente e o termo “disco voador” (flying saucer), ficou até aos dias de hoje, como sendo a designação oficial, graças ao jornalista Bill Bequette, que a criou no seu artigo na época. Pela grande experiência de Arnold, a possibilidade de um erro de interpretação foi excluída no início da investigação realizada na altura.
A partir desta data, com a história espalhada, houve uma “chuva” de avistamentos e muitas pessoas à procura de destaque, passaram a forjar imagens, o que levou a generalização de que tudo é falso ou ilusório na ovnilogia.

A importância da seguinte documentação fotográfica é que quando as imagens foram obtidas, ainda não existia nenhum motivo razoável para se forjar situações com fenómenos aéreos não identificados, mesmo porque a maioria absoluta dos fotógrafos (testemunhas) não tinha a menor ideia do que eram aqueles objectos ou luzes anómalas.

Esta fotografia mostra uma formação de nuvens em cima do cume da Mt. Washington no Inverno de 1870 – 1871. Pode-se ver, no meio das nuvens, um objecto na forma de charuto. A imagem faz parte de um “stereoview” antigo. A descrição diz: ” Mt para ÁPICE”. Washington, Inverno de 1870-1871.
Registrado em Act of Congress no ano de 1871, por CLOGH & KIMBALL, no Office of the Librarian of Congress, em Washington.

Esta é uma das fotos mais antigas de um OVNI.
Foi tirada no dia 12 de Agosto de 1883, pelo astrónomo Jose Bonilla, no Observatório de Zacatecas, no México.
Nela podem-se ver formações de objectos com forma de disco sobre a face do sol.

Em 1897 na cidade de La Crosse no Wisconsin EUA, residentes viram ao entardecer nos céus em 10 de Abril de 1897 este objecto.

Fotografia obtida em Drobak, na Noruega, no dia 27 de Julho de 1907.
Um objecto foi visto e fotografado sobre o ancoradouro do porto, onde estão dois navios ancorados. A sombra do objecto reflectida na água é maior que o comprimento dos navios.

É assim que este incidente é contado pela filha de fotógrafos:
“Esta foto foi tirada pelo meu pai, Edward Pline, numa serraria em Custódia onde nós vivíamos naquela ocasião.
Acho que foi em 1929.
Eu tinha aproximadamente seis anos. Por alguma razão que desconheço, o meu pai resolveu fotografar a serraria e quando ele estava a fotografar, houve um ruído que ele descreveu como um “berro atroador terrível”. No mesmo momento uma coisa grande e redonda moveu-se pelo ar, sobre eles. Você pode ver isto na fotografia.
Nenhum dos trabalhadores da serraria viu a coisa que aparece na fotografia, mas todos eles ouviram o som e sentiram o tremor do chão.
O meu pai só me contou sobre o incidente, alguns anos depois, por isso não consegui encontrar nenhum dos trabalhadores da serraria daquele tempo.
Procurei também informações sobre o incidente na Sociedade Histórica do Município, mas não achei nenhuma referência ao facto.”


SlideWard, Colorado. Abril de 1929. Hetty Pline

Na descrição desta foto pode-se ler: “O objecto voador da fotografia não poderia ter sido uma luminária de rua, simplesmente porque não haviam lá luminárias de rua.
Também não há nenhum poste ou cabos de alta tensão visíveis em qualquer lugar desta fotografia”.
O dono do álbum onde está esta fotografia diz que, naquele tempo, não havia nenhuma rua com iluminação eléctrica próxima à estrada onde a mesma (fotografia) foi tirada.
Foto de George Sutton, de St. Paris, Ohio, tirada no Verão de 1932, perto do meio-dia (como pode ser observado pelas sombras no chão).
Ninguém soube explicar o objecto escuro visto em cima do ombro esquerdo de Sutton.

Fotografia obtida na cidade de Tienjin, na China, em 1911, por um jornalista japonês.

Este OVNI foi fotografado no dia o 25 de Fevereiro de 1942 e publicado pelo Los Angeles Times.
Nesta ocasião, por um bom tempo, um estranho objecto aéreo ficou visível sobre a Cidade de Los Angeles.
Foi descrito por uma testemunha ocular como “uma enorme laranja de cor pálida”. Os focos de luz não são do OVNI, mas sim de reflectores anti-aéreos voltados para o objecto.
Foram efectuados aproximadamente uns 2000 disparos contra o objecto antes que ele desaparecesse de visão.
Obs.; Bonita atitude dos militares durante este evento, que poderia ter sido especial e importante para a humanidade em geral. Em quantas situações o ser humano atirou com pedras e tiros a OVNI´s, sem sequer saberem as intenções dos tripulantes. Até agora têm tido sorte em não receberem uma resposta igual a tanta agressividade demonstrada.

Este disco foi fotografado sobre a Inglaterra em 1944.
Publicado pela revista “The X Factor”, número 53 (Marshall Cavendish publications).

Durante a segunda guerra mundial, inúmeras foram as fotografias obtidas por observadores da aeronáutica onde apareceram objectos voadores não identificados.
Seguem alguns exemplos dos famosos “Foo-fighters”, nome que lhes foi dado pelos pilotos da época:

Nunca foram explicados e alguns relatos de pilotos são bem interessantes, mesmo para os dias de hoje. Vejam o caso do Tenente Lemos Ferreira, recentemente recordado no programa E. I. – Encontros Imediatos, RTP 2, Portugal.

Esta fotografia foi efectuada por Erik Reuterswärd, às 14h30 do dia 9 de Julho de 1946.

Ao longo daquele ano, foram observados numerosos “foguetes fantasmas” sobre a Noruega e Suécia. Este é uma das poucas fotografias conhecidas do fenómeno.

Zetas