Hubble observa buraco negro ‘sem lar’

Mas uma equipe de astrônomos europeus publicou um artigo na edição desta semana da revista “Nature” sobre um buraco negro em particular, localizado há cerca de cinco bilhões de anos-luz, que não apresenta evidências de ter uma galáxia hospedeira. Um ano-luz equivale a 10 trilhões de quilômetros, a distância que a luz viaja em um ano.

O buraco negro foi detectado quando cientistas tentavam encontrar quasares – objetos pequenos, extremamente distantes e brilhantes, que são fortemente associados a buracos negros. Astrônomos acreditam que um quase é produzido por gás cósmico, quando este é atraído ao centro dos grandes buracos negros.

A maioria dos quasares e buracos negros encontram-se no meio de galáxias maciças e em sua pesquisa de 20 quasares relativamente próximos, os cientistas encontraram 19 dentro desse padrão. Mas um não apresentou sinais de ter uma galáxia como hospedeira.

Usando o telescópio espacial Hubble e o Grande Telescópio no Chile, os astrônomos afirmam que esse buraco negro singular pode ser o resultado de uma rara colisão entre uma galáxia espiral normal e um objeto exótico que abriga um buraco negro.Um problema com a busca por quasares é que eles são tão brilhantes que ofuscam a maioria das galáxias que os cercam, da mesma maneira que os fortes faróis de um carro podem dificultar a visão do veículo. Então, se uma galáxia está presente ao seu redor, é difícil detectá-lo.

Os astrônomos europeus usaram dois telescópios para superar esse problema ao comparar os quasares que observavam com uma estrela-referência. Isso tornou possível para eles diferenciar a luz de qualquer galáxia possivelmente presente nas redondezas.