NASA em apuros

“Tentamos desenvolver um plano para a estação, mas ainda não temos muita coisa”, disse Griffin ao diário. Os Estados Unidos e outras 15 nações dividem os trabalhos e as despesas da construção, iniciada há 20 anos, de uma estação que orbita a cerca de 395 quilômetros da Terra e que inclui laboratórios, equipamentos de pesquisa e casa para tripulações permanentes.

Na construção da estação Alfa, tiveram um papel crucial as naves espaciais americanas, capazes de retornar à Terra após levar pessoas, equipamentos e seções que são acrescentadas à estrutura mediante braços robóticos.

Essa participação, no entanto, ficou suspensa desde que em 1º de fevereiro de 2003 sete astronautas americanos morreram no acidente com a nave Columbia. Desde então, o reabastecimento da estação espacial internacional e as mudanças de tripulações são feitos pelas naves russas Soyuz.

A Nasa prepara agora o lançamento da nave Discovery, com sete astronautas e com um novo tanque de combustível, em uma missão de treze dias que inclui a troca de equipes em Alfa, estação que custou cerca de US$ 100 bilhões.

Antes do desastre do Columbia, a Nasa tinha programadas 28 missões para Alfa. Delas, 18 eram para completar a construção e dez para levar provisões e pessoal.