Nasa encontra miniluas nos anéis de Saturno

A presença deles confirma a teroria de que os anéis foram formados depois da explosão de uma lua de gelo. A teoria previa que haviam restado fragmentos de vários tamanhos, mas apenas os muito pequenos ou muito grandes já tinham sido vistos até então.

O rastro que as miniluas, que têm formato de hélice, deixam nos anéis de Saturno foram observados em julho de 2004, quando a sonda entrou na órbita do planeta. Elas não foram detectadas antes porque as imagens tinham pouca definição. Cada par de rastro deixado representa o efeito gravitacional das pequenas luas nas partículas de poeira ao redor. Os pesquisadores acreditam que apenas objetos com diâmetro variando entre 40 e 120 metro poderiam causar estas marcas nos anéis.

Partículas menores não teriam massa suficiente para afetar seus vizinhos dessa maneira, e objetos maiores teriam efeitos mais visíveis. Pan, uma das luas de Saturno, por exemplo, é tão pesada que deixa uma verdadeira “listra” nos anéis. As luas foram previstas em modelos computadorizados, mas nunca tinham sido observadas antes.

Os técnicos, liderados por Matthew Tiscareno, da Cornell University, acreditam que os anéis de Saturno podem ter 10 milhões destes pequenos corpos celestes.