Objecto embaçado em Jardinopolis

Não emitia luz como os casos clássicos de ufos, era opaco de cor branca um pouco “embaçado”.
O objecto saiu de trás de uma nuvem e se deslocou em linha recta para a esquerda mais ou menos uns 200 metros, ficava parado por dois a quatro segundos totalmente visível fora de qualquer nuvem e voltava em seguida para atrás da mesma nuvem como se camuflando, isto se repetiu por cinco vezes, mesmo com o deslocamento da nuvem pelo céu “claro”.

Aquela esfera reflectia um pouco os raios da Lua e acha que só foi possível observar o objecto graças á Lua cheia. (nesse dia havia a famosa Lua Azul).

O objecto sempre voltava para a mesma nuvem, demonstrando uma intenção no mínimo inteligente, sua velocidade era incrível, seu deslocamento estava fora da mecânica humana, pois não demonstrava dificuldade com o atrito do ar. Estávamos maravilhados com aquilo que vimos e acreditem a verdade está lá fora.
Fabrício estava acompanhado pela sua tia Rosely.

O desaparecimento deu-se conforme as nuvens iam se afastando do local o objecto acompanhou camuflado na mesma nuvem.

Fabrício chama a atenção de todos no que se refere a aparência do objecto, que esta experiência não é de origem humana, e que, nenhuma ciência poderá explicar seja pela engenharia física, reacções químicas, climatológicas naturais ou não.

Simplesmente nomeia o objecto de aparelho aéreo guiado por inteligência natural ou artificial, que intencionalmente camuflava-se em uma nuvem e não emitia luz alguma para não ser identificado, talvez para não chamar a atenção de toda a cidade e sim de alguém que instintivamente naquele momento olhasse para o céu, mas uma pergunta me faz: Qual seria sua verdadeira intenção ou tarefa a cumprir fazendo este tipo de movimento?

fabriciocabrera@netsite.com.br