OVNIS na Praia de Carcavelos

As duas luzes encontravam-se na direcção da lua, muito próximas desta, em termos relativos. Após dez minutos de observação, foi possível observar uma terceira luz próxima às outras, formando um triângulo com estas. Às três luzes viria ainda a juntar-se uma quarta luz, todas apresentando movimentos bruscos ocasionais. Todas as luzes apresentavam uma tonalidade branca, diferenciando-se apenas por pequenas variações de magnitude. À luz com maior magnitude aparente foram tiradas três fotografias digitais. Nas fotos é observada não uma tonalidade branca, mas azul. Nestas fotografias é observável aquilo que pode ser interpretado como um “rasto” proveniente de movimento. Segundo as testemunhas, este não corresponde a qualquer movimento do fenómeno, mas sim a movimentos da máquina fotográfica no momento da captura da imagens.
De salientar que as testemunhas concordam na natureza muito pouco conspícua do fenómeno observado. De facto, os movimentos não seriam perceptíveis senão aos que estivessem a observar atentamente o céu nocturno, naquela direcção específica.
As duas testemunhas retiraram-se do local quando ainda eram observáveis as luzes. Durante todo o trajecto até casa (na margem Sul do Rio Tejo), uma das testemunhas referiu ser possível ainda observar pelo menos três das quatro luzes observadas em Carcavelos. Até cerca das 24:00 foi possível observar as luzes, desconhecendo-se a hora a que já não seria possível observar quaiquer das luzes, em qualquer dos pontos geográficos nas quais foram observados.
Cerca das 22:10, quando o fenómeno foi directamente reportado, foram imediatamente alertados vários colaboradores da APO, incluindo os que no momento se encontravam conectados no canal de mirc (#APO), e que se encontravam em diversos pontos de Portugal Continental. Nenhum conseguiu observar as luzes ou os movimentos destas, ao procurá-las na direcção comunicada (da Lua).
É a pouca conspicuidade de ocorrências como esta, que nos levam a colocar a hipótese de que o número de ocorrências observáveis deve ultrapassar o número de vezes em que as pessoas as observam e percepcionam. Valor este que será também superior ao número de indivíduos que após a observação, fazem chegar o respectivo relato, a Grupos ou Associações, que o divulgam e registam.

Carlos MGL Teixeira e Pedro Salgado