Workshop de Constelações Familiares

Nas Constelações Familiares trabalhamos com aquilo que emerge, que poderá ser do campo físico, emocional ou espiritual.

Este novo enfoque em psicoterapia, fenomenológico e sistémico, mostra-nos que em muitas das coisas que acontecem na nossa vida, existe uma mensagem de amor e uma intenção de chegar a um equilíbrio harmonioso connosco próprios e com a nossa família existe uma mensagem de amor e uma intenção de chegar a um equilíbrio harmonioso connosco próprios e com a nossa família.

É gerado um movimento interno que desvenda uma dinâmica desconhecida.

Na família, podem ter lugar destinos que implicam, influenciam e afectam todos os seus membros.

Na Constelação Familiar evidenciam-se os padrões que se repetem e que levaram à desarmonia do corpo e da alma, pode-se olhar para eles com objectividade, amor e aceitação.

Assim, o Todo une-se em busca de solução. Segundo Bert Hellinger & Gabriele ten Hovel, (1996), esta é uma técnica psicoterapêutica que consegue tocar com precisão os pontos cegos do nosso arraigado pensamento racionalista.

É também uma ponte para a realidade da vida que não tem nenhuma linguagem apropriada para os profundos movimentos da alma, transcende a capacidade de entendimento.

Compreensão do sistema e dos sintomas

Numa constelação são levados em conta todos os membros de um sistema familiar no âmbito de três gerações, ou mais. Todos os membros da família tomam parte numa ordem básica à qual estão permanentemente vinculados.

Essa ordem básica inclui, por exemplo, o direito de todos a pertencer ao sistema e a procedência / ordem dos que vêm antes sobre os que vêm depois. As famílias, onde os conflitos ou sintomas aparecem, estão frequentemente em “desordem” no que toca a essas leis.

Observa-se nas implicações sistémicas, que por vezes manifestam a existência de um profundo amor resultado do vínculo, de uma ligação inconsciente da pessoa com o seu grupo de origem. Isto faz com que alguns repitam os destinos de outros e queiram, no lugar deles, assumir algo de pesado, expiar ou até mesmo morrer.

A perda de conexão com as fontes dos laços familiares

Isto pode acontecer e pode estar na base do aparecimento de problemas. A perda de conexão / exclusão acontece, por exemplo, quando alguns membros da família não são respeitados ou são esquecidos (excluídos).

Além da implicação sistémica, devem ser ainda considerados na geração, entre outros, as dificuldades psíquicas implicadas, os aspectos associados à evolução pessoal e os destinos.

O processo da constelação

Através do método de posicionar membros da família, com a ajuda de representantes, manifesta-se um aspecto vivencial, uma experiência subjectiva, intersubjectiva e intra-subjectiva directa, realizada simultaneamente em muitos canais. Através dessa experiência directa que envolve o corpo e os sentidos, as imagens consteladas têm muitas vezes fortes efeitos emocionais e, com isto, podem ser revividas e trabalhadas.

A imagem da solução, quando é significativa para a pessoa, activa novas formas de ver e de proceder nas dinâmicas familiares até então experimentadas como problemáticas.

Sobre o orientador

José Migliorini: Psicólogo Clínico e psicoterapeuta. Atende na sua clínica particular, crianças, adolescentes, adultos e idosos. Dedica particular interesse e estudo à mulher grávida, ao bebé, às relações pais-bebé. Faz Terapia individual, de casal e de grupo, tendo sempre em conta uma compreensão holística do ser humano.

Valor unitário 50 ovnis Inscrição mediante envio de cheque no valor de 20 ovnis

Endereço do envio da inscrição: Clínica de Psicologia Espaço da Mente Rua Helena Félix, lote 3, nº 3, 1º andar, porta 4, Entrecampos, 1600-121 Lisboa.

José Migliorini, 965800857 ou 918411651 E-MAIL: jmigliorini@clix.pt